Contágios, aumento de casos e hospitalizações: o que mudou com a Ômicron - Rota

[Fechar]

Prefeitura-01

Notícias Recentes

Contágios, aumento de casos e hospitalizações: o que mudou com a Ômicron

 


O novo ano começou com um fluxo maior de casos de Covid-19, diferente de qualquer outro momento nesta pandemia.

Tudo por conta da variante Ômicron, que é mais contagiosa e pode causar doenças mais graves para os não vacinados e enfraquecer o sistema de saúde, segundo especialistas.

Agora, até os profissionais de saúde estão sendo colocados de lado [quarentenados] durante a rápida ascensão da variante Ômicron, que atingiu os Estados Unidos rapidamente.

E, em comparação com as variantes anteriores, a Ômicron colocou o sistema de saúde da América em um patamar muito diferente do que o país estava anteriormente, de acordo com Esther Choo, professora da Universidade de Saúde e Ciência de Oregon.

Aqui está o que você precisa saber sobre a Ômicron.

Mais de 73% dos casos nos Estados Unidos são causados pela Ômicron

A variante Ômicron do coronavírus é agora a mais dominante nos Estados Unidos.

Na terceira semana de dezembro de 2021, era responsável por mais de 73,2% dos novos casos de coronavírus, menos de três semanas após o primeiro caso ter sido relatado, de acordo com estimativas divulgadas segunda-feira (3) pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC).

variante Delta representa os outros 26,6% dos casos.

De acordo com o CDC, qualquer pessoa com Ômicron “pode ​​transmitir o vírus a outras pessoas, mesmo que estejam vacinadas ou não apresentem sintomas”, diz o órgão.

Os primeiros estudos sugerem que a variante Ômicron pode causar doenças menos graves do que a variante Delta, que ainda é responsável por uma porção considerável dos casos de Covid-19 nos EUA.

Mas, como a Ômicron é muito mais contagiosa, o número bruto de hospitalizações por Covid-19 pode piorar, disse o especialista Anthony Fauci.


20% dos profissionais de saúde estão infectados

Como a cepa Ômicron é mais contagiosa, os hospitais estão entrando em colapso à medida que o inverno no hemisfério norte avança.

“O que está acontecendo no resto do país pode ser muito sério. E eles precisam estar preparados”, disse James Phillips, chefe de medicina do Hospital da Universidade de George Washington.

Até mesmo os profissionais de saúde estão ficando de quarentena devido à rápida ascensão da Ômicron nos Estados Unidos.

“Nosso sistema de saúde está em um lugar muito diferente do que estávamos nas ondas anteriores”, disse Choo.

“Esta cepa é tão contagiosa que acho que todos nós conhecemos muitos colegas que estão infectados ou apresentam sintomas e estão em quarentena”, aponta Choo.

“Perdemos pelo menos 20% de nossa força de trabalho de saúde, provavelmente até mais”, acrescentou.


As hospitalizações de crianças cresceram 66% 

Assim como milhões de alunos se preparam para voltar à escola, as novas hospitalizações pediátricas por Covid-19 atingiram um recorde.

Durante a semana encerrada em 28 de dezembro, uma média de 378 crianças foram internadas em hospitais todos os dias com coronavírus, de acordo com dados do CDC.

Isso representa um aumento de 66% em relação à semana anterior. Também quebra o recorde anterior de 342 estabelecido durante a ascensão da variante Delta no início do ano letivo.

Com a variante Ômicron se espalhando rapidamente, algumas escolas podem adiar o aprendizado pessoalmente, disse o pediatra e professor da Escola Nacional Medicina Tropical na Universidade de Medicina de Baylor, em Houston, Peter Hotez.

“Pode ser o caso em alguns distritos escolares, onde as coisas estão tão fortes agora, em termos de Ômicron, e continuará pelas próximas duas semanas. Pode ser sábio atrasar as coisas mais algumas semanas”, disse Hotez.

“Vai ser um momento muito desafiador”, aponta Hotez. “As pessoas terão que ser pacientes.”


Matéria: https://www.cnnbrasil.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Páginas

google-site-verification=5fPgT_lzApadpsOeeBNkEccyZJjMFxnIBMWdXxnO7cU